CADASTRE-SE AINDA HOJE E GANHE R$10*

Mauricio Szapiro e Erik Nako,
curadores de vinho e gastronomia

Aproveite os melhores vinhos e produtos gastronômicos do mercado, selecionados por chefs e sommeliers tão apaixonados pela boa mesa como você.


Quero me cadastrar

Já é cadastrado?
Faça seu login

oferta
(11) 3090-6073 / (21) 4042-2446 - Seg. à Sex. das 10h às 19h

Rosso di Montalcino Castello Banfi

De R$ 130,00 por Preço Exclusivo para cadastrados
CADASTRE-SE

Rosso di Montalcino Castello Banfi

Toscana • Itália

Nem só de Brunellos vive Montalcino...

De R$ 130,00 por



ESTA OFERTA ESTÁ ENCERRADA
Cadastre-se hoje, ganhe R$ 10 de créditos


Com a palavra, o curador:

Quando pensamos na cidade de Montalcino, localizada na província de Siena, qual o vinho que nos vem imediatamente à cabeça? Com certeza, a maioria dos enófilos respondeu imediatamente “Brunello”. Resposta previsível, vide à importância e ao valor que esse ícone italiano exerce no cenário vitivinícola mundial. Mas o que muitos não sabem é que, na mesma região, existe uma alternativa mais acessível aos caros Brunellos. Um vinho que também é elaborado com a Sangiovese Grosso (um clone da Sangiovese, chamado de Brunello em Montalcino), mas que é comercializado após um ano de envelhecimento, o Rosso de Montalcino.

Além do tempo em que descansa em barricas, o Rosso se diferencia do Brunello pela produtividade do vinhedo (geralmente o volume de produção de um vinhedo de Brunello é menor) e pela graduação alcoólica mínima. Além do preço, é claro. Não é impossível encontrar Rossos melhores, com mais corpo e cor, que alguns Brunellos de qualidade duvidosa. Mas, claro, para toda exceção existe uma regra, e a qualidade e complexidade de um bom Brunello, feito por uma vinícola de respeito, é incontestável. E o Rosso? Bom, o Rosso é um vinho alegre, mais frutado, e que deve ser bebido jovem. É ótimo para acompanhar a culinária italiana e deve ser bebido sem maiores cerimônias. 

Recentemente, foi levantada a possibilidade de misturar algumas castas francesas à italianíssima Sangiovese, na elaboração do Rosso. Polêmicas e muitas manifestações à parte, os puristas levaram a melhor e a proposta foi negada. Mesmo assim, há quem diga que o assunto não acabou, mas isso já fica para os próximos goles...

Notas de Degustação:

Rubi regular, com aromas gostosos, que lembram confiture, goiabada, geléia de frutas vermelhas, cassis, café e chocolate. Na boca, DNA Itália; é persistente e ótima acidez, com corpo esbelto e tanino chique. Devo dizer que, quando acabou a garrafa, deixou saudades. 

Harmonização:

Acompanha carne de caça, risotto de cabrito, lasagna, massas com ragu de cordeiro, pato; além de um bom prato feito pela nonna...

Erik Nako

... é acima de tudo um glutão. Chef e sócio do bar italiano Prima Bruschetteria, dá aulas na ABS-Rio e faz viagens enológicas pelo mundo há mais de 10 anos.

Detalhes

O que você recebe:
1 garrafa x 750ml

Composição:
100% Sangiovese Grosso

Estilo:
Tinto

Teor Alcoólico:
14% 

Safra:
2010

Amadurecimento:
12 meses em barricas de carvalho

Premiações:
90 RP (Robert Parker)
88 JS (James Suckling)
Medalha de Prata: Critics Challenge Wine Competition 2012

Mais sobre o Castello Banfi:

Localizada no coração da região dos famosos Brunellos, Montalcino, o Castello Banfi faz parte de uma gigantesca empresa administrada por italianos e americanos. A história da produtora começa em 1919, quando John Mariani - influenciado por sua tia, Teodolinda Banfi -, fundou, em Nova York, uma empresa importadora de vinhos de mesmo nome. Ao longo dos anos, a empresa cresceu e sua influência na região da Toscana tornou-se colossal. Sua importância é reconhecida dentro e fora da Itália, vide os inúmeros prêmios que recebeu, entre eles, o título de melhor vinícola da Itália pelo Gambero Rosso. Hoje, a propriedade se estende por mais de 7 mil acres, e conta com uma adega moderníssima, um hotel e o chamado “Castello Banfi”, uma fortaleza medieval restaurada que abriga um museu, um centro de informações, uma enoteca e um restaurante, a “Taverna Banfi”.  

Robert Parker, 90 pontos:

"O Rosso di Montalcino 2010 flui pelo paladar com camadas exuberantes e fruta expressiva. A mineralidade chega do meio para o final. Eu gostei bastante da combinação de ricas frutas e refrescância, neste Rosso cheio de texturas. Beba entre 2012 e 2016." 

Outras Fontes:

www.worldwine.com.br