CADASTRE-SE AINDA HOJE E GANHE R$10*

Mauricio Szapiro e Erik Nako,
curadores de vinho e gastronomia

Aproveite os melhores vinhos e produtos gastronômicos do mercado, selecionados por chefs e sommeliers tão apaixonados pela boa mesa como você.


Quero me cadastrar

Já é cadastrado?
Faça seu login

oferta
(11) 3090-6073 / (21) 4042-2446 - Seg. à Sex. das 10h às 19h

Prosecco Rivalta Convivio Superiore DOCG Brut

De R$ 84,00 por Preço Exclusivo para cadastrados
CADASTRE-SE

Prosecco Rivalta Convivio Superiore DOCG Brut

Valdobbiadene • Itália

Difícil de entender, mas ótimo de beber

De R$ 84,00 por



ESTA OFERTA ESTÁ ENCERRADA
Cadastre-se hoje, ganhe R$ 10 de créditos


Com a palavra, o curador:

Se você sempre ouviu falar que o espumante Prosecco tem esse nome porque a uva de que é feito se chama Prosecco, sinto muito, mas vai ter reaprender esse conceito. O correto, hoje, é dizer que o espumante Prosecco tem esse nome, porque é feito com uma casta que, até 2009, era conhecida como Prosecco. 

Confuso? Também acho. Mas vamos tentar explicar melhor. Em 2009, a legislação do vinho chamado Prosecco foi alterada. Em seu artigo 2º, a nova lei reza que o Prosecco se obtém da variedade Glera, com o mínimo de 85%, admitindo-se até 15% de outras castas locais. Na verdade, o nome original dessa antiga variedade italiana sempre foi Glera; só que era conhecida como Prosecco – nome de uma cidadezinha na região de Triste, onde se acredita que tenha nascido.

Ficou mais claro agora? E a legislação foi mais específica ainda, determinando que, embora o nome Prosecco (sempre para o espumante, não para a uva) possa ser usado para vinhos de uma região relativamente grande, só aqueles produzidos em três áreas têm direito à classificação DOCG (Denominazione di Origine Controllata e Garantita), que hoje distingue apenas 57 vinhos da Itália. Dentre essas áreas está a de Conegliano-Valdobbiadene, duas pequenas cidades do norte do Veneto.   

Desculpe subir novamente no estrado do professor, mas depois de tantos dados técnicos e legais, mais uma informação não vai fazer diferença: a expressão superiore também faz parte da rebuscada legislação italiana: tem direito a essa classificação o Prosecco com o mínimo de 11% de álcool – o nosso tem 11,5%; para os não superiore, bastam 10,5%.    

Notas de Degustação:

É exatamente de Valdobbiadene (lê-se Valdobbiádene) que vem este Convivio Valdobbiadene Prosecco Superiore DOCG Brut, elaborado pela casa Rivalta. Num mercado densamente povoado de garrafas de Prosecco de má qualidade, é um alento descobrir este espumante muito bem elaborado, de tonalidade palha claro, com bolhinhas pequenas e delicadas; nariz sutil, mas elegante, com notas florais, de maçã verde e abacaxi; e uma ótima chegada na boca, exibindo perfeito equilíbrio acidez/maciez, gás carbônico na medida certa e uma boa persistência.

Harmonização:

As sugestões de harmonização para esse tipo de espumante apontam sempre na direção de pratos leves de peixes e crustáceos, frango grelhado, carne branca de peru ou uma refrescante salada. Mas é claro que, na condição de brut (com 10 g/l de açúcares), é imbatível como aperitivo, sempre servido entre 6º C e 8º C.

Celio Alzer

... formou-se no rádio, produzindo e apresentando programas musicais e continua levando a vida numa boa, dando aulas de enologia na ABS Rio, ouvindo jazz e bebendo vinho – porque ninguém é de ferro... 

Detalhes

O que você recebe:
1 garrafa x 750ml

Composição:
100% Glera

Estilo:
Espumante Brut

Teor Alcoólico:
11,5%

Método:
Champenoise


Mais sobre a Rivalta:

Com sede em Valdobbiadene, na Itália, a produtora nasceu da paixão de Alessio Caldart, que decidiu investir nos vinhedos da família para produzir vinhos de grande qualidade, principalmente proseccos. A filosofia da empresa é valorizar cada elemento (uvas, terra, sol) necessário para que o produto final seja harmônico. Atualmente, a filha de Alessio, Daniela, desempenha com muito comprometimento e cuidado a função ao lado do pai.

Outras fontes:

http://www.dearivalta.it/home.html