CADASTRE-SE AINDA HOJE E GANHE R$10*

Mauricio Szapiro e Erik Nako,
curadores de vinho e gastronomia

Aproveite os melhores vinhos e produtos gastronômicos do mercado, selecionados por chefs e sommeliers tão apaixonados pela boa mesa como você.


Quero me cadastrar

Já é cadastrado?
Faça seu login

oferta
(11) 3090-6073 / (21) 4042-2446 - Seg. à Sex. das 10h às 19h

Padre Pedro Reserva 2009

De R$ 166,40 por Preço Exclusivo para cadastrados
CADASTRE-SE

Padre Pedro Reserva 2009

Ribatejo • Portugal

Quando o Brasil descobre Portugal

De R$ 166,40 por



ESTA OFERTA ESTÁ ENCERRADA
Cadastre-se hoje, ganhe R$ 10 de créditos


Com a palavra, o chef:

Já aportei quatro vezes na terrinha, cada uma em épocas muito diferentes da vida, em busca de interesses mil, cada qual de acordo com as mutações conjunturais das respectivas idades. Nestas lembranças de outroras, aprendi que, ainda que a óbvia relação entre ex-colônia e Império nos sugira, poucos países são tão distantes e tão próximos quanto Brasil e Portugal.

Em minha última visita, uma viagem enogastronômica de norte à sul, saí com a estranha sensação de que precisaria voltar ainda muitas vezes para efetivamente conhecer esta nação. Para mim, tomou um sentido completamente novo chamar Portugal de “terra dos descobrimentos”.

Das ameijoas na cataplana do Algarve, passando pelos cabritos assados da Serra da Estrela, à francesinha do Porto, grandes vinhos nunca dantes degustados me chegaram à mesa. E, para a minha surpresa, sem desmerecer os grandes clichês Alentejanos e do Douro, descobri vinhos excepcionais de regiões como Dão, Bairrada e Ribatejo para acompanhar.

Eis aqui um exemplo interessante vindouro desta última região. Este Padre Pedro Reserva 2009 é produzido pela Casa Cadaval, uma vinícola tradicional ribatejana, ou sejo, que se situa à margem esquerda do Rio Tejo. A safra 2007 recebeu 92 pontos pela Wine Enthusiast em degustação no ano passado, ou seja, é um vinho que certamente vai evoluir bem, valendo a experiência de comprar mais de uma garrafa para degustar ao longo do tempo.

Certamente, este vinho acenderá até mesmo nos menos aventureiros a gana de conhecer um pouco mais da riqueza enológica que Portugal tem a nos oferecer.

Notas de degustação:

Lágrimas bem espessas e lentas. Um denso vermelho rubi, mas ainda com notas de violeta nas bordas. No nariz, aromas de madeira tostada e frutas negras bem maduras. Na boca, é uma festa, com uma sensação de fogos de artifício por todos os lugares em que passa. Bom corpo, acidez intacta e equilibrada, que mostra uma boa longevidade. Persistência impressionante, e tanino na medida certa, que faz salivar atrás de algo para comer com urgência.

Harmonização:

Minha escolha para acompanhar foi uma copa-lombo de porco assada inteira (corte equivalente a um entrecôte de boi), temperada com páprica doce, com umas batatas baroas ao murro com alecrim. Caiu muuuuito bem! Uma açorda de porco ou uma dobradinha também seriam sonho realizados.

Erik Nako

... é acima de tudo um glutão. Chef e sócio do bar italiano Prima Bruschetteria, dá aulas na ABS-Rio e faz viagens enológicas pelo mundo há mais de 10 anos.

Detalhes

FRETE GRÁTIS 
Válido para as capitais dos seguintes estados: SP, RJ, MG, ES, GO, DF, RS, SC, PR*

O que você recebe:
1 garrafa X 750ml

Estilo:
Tinto

Safra:
2009

Composição:
50% Touriga Nacional, 30% Trincadeira, 10% Alicante Bouschet e 10% Merlot

Teor alcoólico:
 
13,5%

Envelhecimento:
8 meses em barricas de carvalho
6 meses em garrafa

* Atenção: O frete grátis não compreende CEPs localizados em áreas de redespacho

Mais sobre o Ribatejo:

Ribatejo é uma antiga província portuguesa localizada ao norte do Rio Tejo, onde se produz cerca de 20 mil hectares de vinhas, aproximadamente 8,5% da produção nacional lusitana. Dessa produção, 12 mil são castas brancas e oito mil castas tintas. As províncias foram extintas em 1959, dando lugar aos distritos, mas, por tradição e por falta de acordos em relação aos limites, as províncias ainda vigoram na sabedoria popular. Ribatejo inclui os distritos de Santarém, Portalegre e Lisboa. Apenas 10% dos vinhos produzidos na província recebem o selo de Denominação de Origem Controlada, dos quais 30% é destinado à exportação.

Outras Fontes:

http://www.casacadaval.pt/

http://www.portugal.gastronomias.com/ribatejo.html