CADASTRE-SE AINDA HOJE E GANHE R$10*

Mauricio Szapiro e Erik Nako,
curadores de vinho e gastronomia

Aproveite os melhores vinhos e produtos gastronômicos do mercado, selecionados por chefs e sommeliers tão apaixonados pela boa mesa como você.


Quero me cadastrar

Já é cadastrado?
Faça seu login

oferta
(11) 3090-6073 / (21) 4042-2446 - Seg. à Sex. das 10h às 19h

Microterroir Carmenère Los Lingues 2006

De R$ 235,00 por Preço Exclusivo para cadastrados
CADASTRE-SE

Microterroir Carmenère Los Lingues 2006

Colchágua • Chile

Quer conhecer a Carmenère?

De R$ 235,00 por



ESTA OFERTA ESTÁ ENCERRADA
Cadastre-se hoje, ganhe R$ 10 de créditos


Com a palavra, a sommelière:

Em dezembro passado, fui ao Chile para prestar os dois primeiros níveis da The Wine School. No fim do curso, recebi o convite do enólogo Mario Geisse, de quem sou fã assumida, para ficar hospedada na Casa Silva, e resolvi esticar minha estadia em alguns dias para visitar algumas vinícolas. Chegando a San Fernando, Vale do Colchágua, onde fica o hotel da Casa Silva, fui recebida com um grande almoço no restaurante da bodega, em uma área externa, situada à frente do campo de pólo dentro da vinícola.

Dentre tantos vinhos que tive a chance de degustar durante o almoço, com certeza o Microterroir Carmenère foi uma excelente surpresa. Recebi a garrafa das mãos do próprio Mário, que na ocasião me explicou tudo sobre esse rótulo: o resultado de um longo estudo feito em Los Lingues para identificar o melhor microterroir (daí o nome do vinho) para cultivar a variedade Carmenère. Ao final da degustação, todos concluíram que, de fato, este vinho comprova a máxima expressão da uva.

Apesar de muitos apreciadores desta cepa acharem que ela é chilena, a uva Carmenère é francesa e tem uma história bem curiosa. Após ser quase devastada na Europa pela filoxera, no fim do século XIX, foi trazida para o Chile, confundida e engarrafada por anos como Merlot. Por causa dessa confusão, muitos produtores de vinhos ignoravam o fato de que a Carmenère é uma uva de cultivo extensivo e maturação tardia e, por isso, o resultado final eram vinhos muito difíceis de beber. Como já afirmou o nosso colaborador e professor Celio Alzer: “muitas vezes, o potencial de álcool e a acidez da uva enganam o agrônomo/enólogo, fazendo crer que chegou o momento de colhê-la. Mas os aromas ainda estão verdes, com a nota herbácea de pimentão verde, que inviabiliza tantos vinhos chilenos de Carménère”. 

Voltando ao diário da viagem, foi na vinícola Viu Manent que tive a certeza de que o Microterroir Los Lingues é o melhor aprendizado para quem quer, de fato, conhecer um autêntico e “puro” Carmenère.  O enólogo da vinícola, que nos acompanhou durante a degustação, disse com toda propriedade: “Quer conhecer o verdadeiro Carmenère do Chile? Vá à Casa Silva”.  

Notas de Degustação:

Possui uma cor vermelho rubi intensa, com reflexos ainda violáceos; aromas intensos de pimentão verde, frutas negras maduras, toques interessantes de café e pimentas pretas. É muito bem estruturado, robusto, taninos e acidez – que não é muito o “forte” desta casta - bem equilibrada e dá impressão de um vinho que se pode “mastigar”. É magnífico!

Harmonização:

Para acompanhar este grande vinho, um cordeiro assado e bem condimentado, e para quem gosta de churrasco também é uma grande pedida, ainda mais adicionando o molho barbecue nas carnes.

Se quiser fazer jus ao terroir, experimente este exemplar com um prato típico chileno, o pastel de choclo (milho e carne bovina).

Lolô Riccobene

... é sommelière formada na The Wine School, escola internacional de sommeliers da Jancis Robinson. Há mais de quatro anos dedica-se à enogastronomia, setor pelo qual é apaixonada e em que trabalha por prazer, como costuma dizer.  

Detalhes

O que você recebe:
1 garrafa X 750 ml 

Estilo:
Tinto

Composição:
100% Carmenère 

Teor Alcoólico:
14,5% 

Envelhecimento:
12 meses em barris de carvalho francês

Premiação:
94 ptos Guia Descorchados 2011
92 ptos RP (Robert Parker)
90 ptos WS (Wine Spectator) 

 

Mais sobre a Casa Silva:

Assim como suas uvas, a Casa Silva tem origens francesas, de onde veio seu fundador, Emile Bouchon, que partiu de Bordeaux em busca de um perfeito terroir chileno. Emile Bouchon criou o que viria a ser a mais antiga adega do Vale do Colchagua, mas foi somente na quarta geração da família, em 1997, que Mario Pablo Silva convenceu seu pai a engarrafar e vender os excelentes vinhos produzidos na vinícola sob sua própria marca, que passou a se chamar Casa Silva. Hoje, a empresa continua sendo fundamentalmente familiar, e tem como objetivo ser líder em pioneirismo e inovação na produção de vinhos chilenos. A Casa Silva possui vinhedos em Angostura, Lolol e Los Lingues.

Outras Fontes:

www.casasilva.cl