CADASTRE-SE AINDA HOJE E GANHE R$10*

Mauricio Szapiro e Erik Nako,
curadores de vinho e gastronomia

Aproveite os melhores vinhos e produtos gastronômicos do mercado, selecionados por chefs e sommeliers tão apaixonados pela boa mesa como você.


Quero me cadastrar

Já é cadastrado?
Faça seu login

oferta
(11) 3090-6073 / (21) 4042-2446 - Seg. à Sex. das 10h às 19h

Eminência Loureiro

De R$ 155,00 por Preço Exclusivo para cadastrados
CADASTRE-SE

Eminência Loureiro

Bairrada • Portugal

Vinho Verde com muita personalidade

De R$ 155,00 por



ESTA OFERTA ESTÁ ENCERRADA
Cadastre-se hoje, ganhe R$ 10 de créditos


Com a palavra, o sommelier:

O calor já deu mostras de que não vai dar tréguas este ano. Para os mais apressados, teria chegado a hora de substituir o vinho pela “loura gelada” ou pelo amável chopinho. Nada contra o malte e o lúpulo – que, como bem lembrou Noel Rosa, são muito nutritivos. Também não há como negar a importância histórica da cerveja, cuja produção e venda foram regulamentadas nos idos – e bota idos nisso! – de 1760 antes de Cristo, no Código de Hamurabi. Eu mesmo devo confessar que, diante de um vinho de origem incerta e reputação duvidosa, prefiro pedir um chopp – claro, bem tirado, servido na temperatura certa, numa caldereta e com pelo menos três dedos de espuma.

Mas não há motivo para radicalizar, porque o vinho é uma bebida extremamente versátil, capaz de oferecer alternativas para qualquer tipo de evento, companhia, comida ou estação do ano. Claro, no verão, assim como a preferência é por pratos mais leves – eventualmente, até frios –, também o vinho que apetece mais é aquele ligeiro, com teor alcoólico não muito elevado e que possa ser apreciado bem refrescado. Nesse figurino, cabe a grande maioria dos espumantes, brancos e rosados: os primeiros, servidos entre 6° C e 8º C e os outros dois, em torno dos 10º C. Afora isso, só uma exigência: o vinho tem que ser bom!

E aqui está um produto que cabe direitinho nesse figurino: o branco Royal Eminência Loureiro 2009, elaborado pela empresa Paço de Palmeira. É só olhar a garrafa e o rótulo para desconfiar que os produtores não usariam esse tipo de embalagem para um vinho qualquer. O Eminência é um vinho verde, elaborado na região de Braga, exclusivamente com a casta Loureiro. E isso foi a primeira coisa que me chamou a atenção: a Loureiro sempre foi considerada a segunda uva dos Vinhos Verdes – sendo a mais nobre a Alvarinho, esta sim, presente nos melhores exemplares do gênero.

Notas de Degustação:

Mas, aqui, seja pela qualidade do terroir, seja pela competência do enólogo Carlos Lucas, pela primeira vez degustei um Loureiro que não deve nada a qualquer Alvarinho. A cor é típica da região, um palha ligeiro com reflexos esverdeados. Nariz delicado, com claras lembranças de maçã verde, cítricos, mel e agradáveis notas florais. Mas foi na boca que o Eminência chamou mais a atenção: pela elegância, justa acidez, maciez perfeita e boa persistência. Certamente, tanto o perfil olfativo quanto a riqueza na boca devem-se em grande parte à técnica de elaboração: como diz o rótulo, “sur lies fines”, o que significa que, depois de pronto, o vinho permaneceu por algum tempo sobre as leveduras, ganhando em aromas e em estrutura.

Harmonização:

Este belo exemplar de Loureiro justifica perfeitamente a opção por um vinho no verão. Servido sempre por volta dos 10º C, pode ser apreciado apenas com os belisquetes típicos da estação, como camarões ao alho e óleo, anéis de lula, canapés de salmão; mas também se sairá muito bem com ostras frescas, polvo ou peixes grelhados e comida thai. 

Celio Alzer

... formou-se no rádio, produzindo e apresentando programas musicais e continua levando a vida numa boa, dando aulas de enologia na ABS Rio, ouvindo jazz e bebendo vinho – porque ninguém é de ferro... 

Detalhes

O que você recebe:
1 garrafa X 750ml 

Composição:
100% Loureiro

Estilo:
Branco

Teor Alcoolico:
12,5%

Safra:
2010

Mais sobre o Paço de Palmeira:

Localizado próximo à Braga, na região de Monção, o Paço da Palmeira é uma construção datada do século XVIII, que remonta o período áureo do grande império Português. A propriedade sempre contou com uma série de culturas agrícolas diferentes, porém é a viticultura que preenche grande parte do território. No total são 32 hectares de vinhas plantadas em 1990, pelo então proprietário, o Banco Português do Atlântico. Atualmente, o Paço da Palmeira é administrado por Carlos Dias, responsável pela preservação da propriedade e também grande apaixonado pelos vinhos assinados pela casa. 

Outras Fontes:

http://www.idealdrinks.com/