CADASTRE-SE AINDA HOJE E GANHE R$10*

Mauricio Szapiro e Erik Nako,
curadores de vinho e gastronomia

Aproveite os melhores vinhos e produtos gastronômicos do mercado, selecionados por chefs e sommeliers tão apaixonados pela boa mesa como você.


Quero me cadastrar

Já é cadastrado?
Faça seu login

oferta
(11) 3090-6073 / (21) 4042-2446 - Seg. à Sex. das 10h às 19h

Duo Dezem: Magne Malvasia e Extrus Cabernet Franc

De R$ 65,00 por Preço Exclusivo para cadastrados
CADASTRE-SE

Duo Dezem: Magne Malvasia e Extrus Cabernet Franc

Paraná, Toledo • Brasil

Uma salva de palmas para os vinhos brasileiros

De R$ 65,00 por



ESTA OFERTA ESTÁ ENCERRADA
Cadastre-se hoje, ganhe R$ 10 de créditos


Com a palavra, o sommelier:

Imagine-se como ator (ou objeto) de um filme de ficção científica, em que um cientista louco dedica-se a congelar pessoas vivas, para trazê-las de volta ao nosso mundo décadas depois. Se você tivesse sido congelado nos anos sessenta do século passado, retornasse agora pelos nossos dias e quisesse comemorar sua volta com uma taça de vinho brasileiro, ia pensar que tinha acordado em outro país. Sim, porque pelo menos para alguém como eu, que começou a beber vinho na época em que você foi congelado (opa!), o que está sendo feito por aqui é absolutamente espantoso. Se considerarmos que o Brasil só começou a praticar a vitivinicultura a sério a partir dos anos 1970, quando aportaram no país as grandes multinacionais do vinho, aí mesmo é que a transformação pode ser considerada quase um milagre.

Esse processo de renovação do vinho brasileiro passa certamente pela capacitação dos enólogos: até por volta dos anos 1980, na Serra Gaúcha – que era praticamente a única região brasileira produtora de vinhos finos – fazia-se vinho “de ouvido”, do jeito que os pais, avós e bisavós costumavam fazer. Mas essa transformação, deve-se também ao espírito empreendedor de alguns empresários, vários deles oriundos de outras atividades. E finalmente desemboca na prospecção de novas regiões produtoras, como a Campanha Gaúcha, a Serra do Sudeste, o planalto catarinense e a região de Toledo, no extremo oeste do Paraná, onde fica a Vinícola Dezem.

A casa tem pouco tempo de estrada, mas já chegou mostrando serviço. Atualmente, tem três linhas de vinhos: Magne, a gama básica, com um assemblage tinto (Merlot, Tannat e Cabernet Sauvignon), um varietal de Malvasia e um rosé; Extrus, com espumantes brut e demi-sec e varietais de Sauvignon Blanc, Cabernet Franc e Tempranillo; e Atmo (Chardonnay, Cabernet Sauvignon e Merlot, cem por cento). As explicações para os termos escolhidos são um tanto bizarras. Extrus, por exemplo, “é o nome que homenageia a água, um dos principais elementos da natureza e do terroir. Sua origem é a palavra ‘extrusiva’, uma tipificação para as rochas que se formam pelo extravasamento do magma à superfície, cuja rápida solidificação pode acontecer pelo contato com a água.” Morou? Não importa, deixa pra lá... O que interessa é que os vinhos são muito interessantes.

Notas de degustação:

O Magne Malvasia 2009 já começa encantando pela cor, de um amarelo ouro brilhante; como todo vinho de Malvasia, é muito aromático, evocando frutas frescas (pêra, melão), um marcante aroma de rosas – típico da variedade – e agradáveis notas de mel; leve de corpo, bem sequinho e com uma acidez viva. O tinto da linha Extrus resgata a qualidade do Cabernet Franc brasileiro, variedade meio esnobada, que andou esquecida em favor do Cabernet Sauvignon, com certeza mais rentável comercialmente. Tem muita fruta vermelha e negra no nariz, uma boa madeira (50% do vinho passaram dez meses em barricas francesas), notas de pimenta e toques de baunilha e de chocolate; na boca, é muito macio com um simpático sabor de coco queimado.

Harmonização:

Provei o Malvasia numa dessas manhãs de domingo quentes e ensolaradas, tão típicas do inverno (?) carioca e tão luminosas quanto o vinho. Foi um excelente aperitivo, mas lamentei não ter a companhia de uns anéis de lula, de um camarão ao alho e óleo ou de umas sardinhas grelhadas – fica para outra vez. Quanto ao Cabernet Franc, degustei com um embutido tipo zampone, um pé de porco desossado e recheado, feito pelo nosso curador Erik Nako. Agora, não tive do que me queixar, estava perfeito. Da próxima vez, vou pedir que ele preparar um sanduíche de rosbife com mostarda preta, uma bruschetta de salame ou uma língua ao molho madeira. Mal consigo esperar! 

Celio Alzer

... formou-se no rádio, produzindo e apresentando programas musicais e continua levando a vida numa boa, dando aulas de enologia na ABS Rio, ouvindo jazz e bebendo vinho – porque ninguém é de ferro... 

Detalhes

O que você recebe:
1 garrafa X 750 ml Magne Malvasia 2008
1 garrafa X 750 ml Extrus Cabernet Franc 2009

Magne Malvasia
Estilo: Branco
Safra: 2008
Composição: 100% Malvasia
Teor alcoólico: 12% 
Envelhecimento: Sem barricas

Extrus Cabernet Franc
Estilo: Tinto
Safra: 2009
Composição: 100% Cabernet Franc
Teor alcoólico: 12,8%
Envelhecimento: 50% por 12 meses em barris de carvalho françês

Mais sobre a Dezem:

É uma pequena vinícola familiar que elabora vinhos originais, que expressam o terroir da região de Toledo, no Paraná. São vinhos modernos que prezam mais pela elegância e complexidade que pelo corpo e pelo álcool. Os rótulos da vinícola são uma homenagem aos elementos da natureza: Magne (terra), Extrus (água) e Atmo (ar).

Outras Fontes:
http://www.dezemvinhosfinos.com.br/