CADASTRE-SE AINDA HOJE E GANHE R$10*

Mauricio Szapiro e Erik Nako,
curadores de vinho e gastronomia

Aproveite os melhores vinhos e produtos gastronômicos do mercado, selecionados por chefs e sommeliers tão apaixonados pela boa mesa como você.


Quero me cadastrar

Já é cadastrado?
Faça seu login

oferta
(11) 3090-6073 / (21) 4042-2446 - Seg. à Sex. das 10h às 19h

Castello D’Albola Chianti Classico DOCG 2007

De R$ 83,50 por Preço Exclusivo para cadastrados
CADASTRE-SE

Castello D’Albola Chianti Classico DOCG 2007

Chianti • Itália

A hora e a vez do Clássico

De R$ 83,50 por



ESTA OFERTA ESTÁ ENCERRADA
Cadastre-se hoje, ganhe R$ 10 de créditos


Com a palavra, o sommelier:

Existem pessoas que escolhem seus vinhos pelo tipo de uva; outras preferem vinhos de uma determinada região; e ainda têm aqueles que fazem questão de beber vinhos de produtores específicos. Mas você já pensou em escolher vinhos pela tradição? Sim, porque a tradição engloba muito além das uvas, origem ou produção. Os rótulos tradicionais sobreviveram e se impuseram com o tempo, apresentando uma garantia de qualidade certificada historicamente pelo consumidor.

É o caso deste Chianti Classico Castello D’Albola 2007, produzido em uma das primeiras denominações de origem do Velho Mundo (depois do Tokaj da Hungria, Chianti “briga” com o Douro pelo pioneirismo na denominação de origem para vinhos). No ano de 1716, o grão duque da Toscana, Cosimo III, demarcou as colinas entre as cidades de Firenze e Siena, como área autorizada a utilizar a denominação Chianti.

O Chianti Classico surgiu de uma necessidade dos produtores locais de expandir a área da denominação para além daquela demarcada por Cosimo III. Em 1924, um comitê de produtores chamado “Consorzio Vino Chianti Clássico” estabeleceu uma nova regulamentação, e também criou o selo de garantia “Galo Nero”, exclusivo para os rótulos produzidos na primeira região demarcada em Chianti.

Mesmo depois de tanto tempo, os vinhos Chianti Classico são produzidos da mesma maneira, compostos em grande parte por uvas Sangiovese e uma pequena porcentagem de Canaiolo. O corte faz esse vinho ficar ainda mais agradável e plenamente suave, porém com bastante firmeza. Ele distingue-se pelo bouquet especial e uma harmonia elegante de sabor. As uvas de Castelo D’Albola provêm de vinhas com 20 anos de idades em média, possibilitando uma maior concentração da fruta.

Notas de Degustação: 

Rubi granada, apresenta aroma de frutas maduras, se distinguindo ameixa, além de caramelo e tabaco. No paladar, tem bom corpo e evolução elegante, boa acidez e um final agradável.

Harmonização:

É indicado para escoltar carnes vermelhas assadas, carne de javali e caça em geral.

Mauricio Szapiro

... é engenheiro, enófilo e entusiasta. Há mais de 10 anos é membro da ABS-Rio, atua como sommelier, modera grupos de degustação e é autor do “Momentos Divinos”, caderno de anotações e memórias enológicas. Não satisfeito, segue adiante em busca de novos sabores e experiências.

Detalhes

O que você recebe:
1 garrafa X 750 ml 

Estilo:
Tinto 

Safra:
2007 

Composição:
Sangiovese e Canaiolo 

Teor alcoólico: 
12,5% 

Envelhecimento:
12 meses em barris de carvalho eslavo 

Premiação:
90 Wine Spectator

Mais sobre o Castelo D'Albola:

Localizado em cima das belas colinas de Chianti, o Castello di Albola é uma vila medieval datada ainda do século XV. No total, a propriedade D’Albola se estende por 850 hectares, dos quais 157 hectares são dedicados à cultura de vinhas. A vinícola cultiva principalmente uvas autóctones italianas como Sangiovese, clones de “Sangioveto” (antigo nome da Sangiovese da Toscana Grosso), Canaiolo, Malvasia e, dentre as internacionais, Cabernet Sauvignon e Chardonnay. Além dos rótulos Castello D’Albola, a produtora também assina os vinhos Selvole, Capaccia, Madonnino, Marangone, Acciaiolo e Solatio, todos produzidos a partir de vinhas históricas que levam o mesmo nome, e com o selo de garantia de Chianti. 

Outras Fontes:

http://www.albola.it/

www.devinum.com.br