CADASTRE-SE AINDA HOJE E GANHE R$10*

Mauricio Szapiro e Erik Nako,
curadores de vinho e gastronomia

Aproveite os melhores vinhos e produtos gastronômicos do mercado, selecionados por chefs e sommeliers tão apaixonados pela boa mesa como você.


Quero me cadastrar

Já é cadastrado?
Faça seu login

oferta
(11) 3090-6073 / (21) 4042-2446 - Seg. à Sex. das 10h às 19h

Casa Silva Gran Reserva Carménère Los Lingues 2009

De R$ 78,80 por Preço Exclusivo para cadastrados
CADASTRE-SE

Casa Silva Gran Reserva Carménère Los Lingues 2009

Vale do Colchagua, Los Lingues • Chile

Carménère comemora maioridade no Chile

De R$ 78,80 por



ESTA OFERTA ESTÁ ENCERRADA
Cadastre-se hoje, ganhe R$ 10 de créditos


Com a palavra, o sommelier:

O jornalista e crítico chileno Patrico Tapia escreveu certa vez que o Carménère só é bom quando cortado com um pouco de Cabernet Sauvignon. Intrigado com essa afirmação, fui tirar a dúvida com o velho amigo Mario Geisse, diretor técnico da Casa Silva, e um dos maiores enólogos do Chile. Ele foi categórico: não é verdade. O que é necessário para que a variedade se expresse bem é um árduo trabalho no vinhedo – o que inclui, entre outras providências, uma maturação perfeita e baixo rendimento na colheita.

Variedade de maturação tardia – cerca de um mês depois da Merlot, com a qual foi confundida durante mais de um século – o que acontece com a Carménère é que, muitas vezes, o potencial de álcool e a acidez da uva enganam o agrônomo/enólogo, fazendo crer que chegou o momento de colhê-la. Mas os aromas ainda estão verdes, com a nota herbácea de pimentão verde, que inviabiliza tantos vinhos chilenos de Carménère. 

A colheita da uva ainda verde é um problema do qual o Los Lingues Gran Reserva Carménère 2009, da Casa Silva, definitivamente não sofre. Também, pudera: não contente em controlar rigorosamente a evolução da uva no pé, Mario tem o hábito de percorrer o vinhedo comendo uvas aqui e ali, inclusive mastigando as sementes. Consta que o último vinhateiro que fazia isso era o saudoso Dom Pérignon! Mas a verdade é que, embora carregue aquela nota vegetal característica do Carménère, seu vinho vai muito além, com um nariz intenso, adocicado, lembrando frutas vermelhas (ameixa, em especial), especiarias e um aroma maduro francamente achocolatado. Os doze meses em que 80% do vinho passa em barricas francesas contribuem para a distinção e elegância do produto.

 

Notas de degustação:

O tom é de um púrpura carregado, característico da variedade e de um vinho relativamente jovem. A chegada na boca é forte e, apesar da juventude, os taninos estão perfeitamente domados, o que indica uma perfeita maturação fenólica – aliás, uma das respostas que o enólogo busca ao mastigar as sementes. Os quatorze graus de álcool exaltam a maciez típica dos vinhos dessa casta. E a acidez – que não é o forte do Carménère – surpreende pelo equilíbrio, balanceando o conjunto. Mais uma prova de que o responsável pelo produto trabalhou no vinhedo com muita competência.

 

Harmonização:

Tintos potentes e encorpados como este certamente pedem comida. Pense no clássico cordeiro assado, num churrasco suculento ou num prato de carne bem condimentado, como um steak au poivre. E já que andamos por terras chilenas, considere também uma rica empanada.

Celio Alzer

... formou-se no rádio, produzindo e apresentando programas musicais e continua levando a vida numa boa, dando aulas de enologia na ABS Rio, ouvindo jazz e bebendo vinho – porque ninguém é de ferro... 

Detalhes

O que você recebe:
01 garrafa X 750ml

Estilo:
Tinto

Safra:
2009

Composição:
100% Carménère 

Teor alcoólico:
14%

Envelhecimento:
80% é envelhecido em barricas francesas novas de carvalho

Mais sobre a Casa Silva:

A Casa Silva tem origens francesas, de onde veio seu fundador, Emile Bouchon, que partiu de Bordeaux em busca de um perfeito terroir chileno. Emile Bouchon criou o que viria a ser a mais antiga adega do Vale do Colchagua, mas foi somente na quarta geração da família, em 1997, que Mario Pablo Silva convenceu seu pai a engarrafar e vender os excelentes vinhos produzidos na vinícola sob sua própria marca, que passou a se chamar Casa Silva. Hoje, a empresa continua sendo fundamentalmente familiar e tem como objetivo ser líder em pioneirismo e inovação na produção de vinhos chilenos. A Casa Silva possui vinhedos em Angostura, Lolol e Los Lingues e tem como enólogo o famoso Mario Geisse, também produtor dos espumantes da Cave Geisse, no Brasil. Geisse já foi chamado de “o mestre da Carménère” e é ele quem comanda a produção, estudando as melhores condições do terroir para cada uva.

 

Outras Fontes:

www.casasilva.cl