CADASTRE-SE AINDA HOJE E GANHE R$10*

Mauricio Szapiro e Erik Nako,
curadores de vinho e gastronomia

Aproveite os melhores vinhos e produtos gastronômicos do mercado, selecionados por chefs e sommeliers tão apaixonados pela boa mesa como você.


Quero me cadastrar

Já é cadastrado?
Faça seu login

oferta
(11) 3090-6073 / (21) 4042-2446 - Seg. à Sex. das 10h às 19h

Bruichladdich Rocks Single Malt Whisky

De R$ 199,00 por Preço Exclusivo para cadastrados
CADASTRE-SE

Bruichladdich Rocks Single Malt Whisky

Islay • Escócia

História e excelência

De R$ 199,00 por



ESTA OFERTA ESTÁ ENCERRADA
Cadastre-se hoje, ganhe R$ 10 de créditos


Com a palavra, o chef:

O vinho no Brasil é uma bebida relativamente recente, tanto em consumo, quanto em produção. Apesar de nossos ascendentes portugueses, italianos e espanhóis, nós fomos durante muito tempo, um país de bebedores de cerveja e, em casos mais chiques, whisky. Como assim whisky? Sim, durante muito tempo, quem quisesse esbanjar, ou parecer chique e mostrar ao que veio, chegava em um restaurante caro e pedia para se deixar uma garrafa de whisky sobre a mesa. Lembro bem de meu pai chegar em casa após um cansativo dia de trabalho e beber uma dose. Não de vinho, nem de cerveja ou muito menos da nossa bebida nacional, a cachaça, mas sim do amadeirado destilado escocês.

Recentemente o vinho vem tomando esse espaço e poucos são os que ainda atravessam uma refeição à base de malte destilado. Por que será? Acredito que durante muito tempo era difícil comprar vinhos de qualidade no brasil, a maioria era simplesmente ruim. Mesmo quando era um vinho de mesa fino e seco de uvas viníferas, ainda era ruim, ou então pior, era caro. Para completar, o consumidor brasileiro sabia muito pouco sobre esta bebida, ficava à mercê de um mercado mal abastecido de bons rótulos.

No caso do whisky era fácil, o whisky viaja bem melhor e resiste às intempéries do tempo, sofrendo menor influência da temperatura quanto ao vinho. Além de que as marcas eram conhecidas e se ele não fosse falsificado, a qualidade era garantida.

Hoje em dia, apesar do crescimento do vinho o forte elixir bretão não foi esquecido. Mas se pararmos para pensar, será que estamos bebendo um bom whisky? Percebi isso quando lá estive. Pense na cachaça, você teria coragem de “degustar” as marcas mais famosas, extremamente industriais que vemos em qualquer prateleira de supermercado. Acontece que estamos fazendo isso com o whisky e o que bebemos aqui seria para um Escocês, como a pior das cachaças. Saibam que o selo “12 anos” não garante a efetiva qualidade do produto.

Em se tratando de whisky existem basicamente 2 tipos: O Blended Scotch Whisky e o Single Malt. Ambos podem alcançar altíssima qualidade. O primeiro é o mais conhecido por aqui, um Blended é um whisky feito a partir da mistura de vários destilados de malte, de diversas regiões da Escócia, que depois de misturado é envelhecido pelo número de anos que mais convir ao produtor. O Single Malt é o whisky produzido com malte colhido e destilado por apenas um produtor.

Um dos mais aclamados produtores deste tipo é a Bruichladdich (se diz “Bruikladik”), na ilha de Islay, famosa pelo destilado. Este produtor de Single Malts se orgulha por “pensar fora da caixa” e aliar toda a tradição com a modernidade para fazer whiskys únicos. O Bruichladdich Rocks leva este nome porque a água usada na fermentação do malte vem de uma fonte milenar e é filtrada naturalmente pelas rochas de gnaisse da região. É uma das águas mais puras que se pode encontrar em todo mundo.

O malte exclusivo de Isley depois de destilado é envelhecido em barris selecionados entre os vários já usados pelo mesmo produtor, o que significa que cada lote de Rocks carrega um pouco de todos os outros whiskys já envelhecidos pela mesma destilaria. Dentre estes barris, também estão barris que já foram usados para se envelhecer os bourbon americanos, dando uma profundidade de sabor e aromas ainda maior a este destilado. E se você, além de amante do whisky, também ama o vinho, este whisky lhe reserva uma grata surpresa. Ele passa a última fase de envelhecimento em barris de carvalho francês, que já foram usados para se envelhecer vinho tinto, deixando-o frutado e ainda mais elegante. Não espere que o whisky tenha cor violácea por conta disto, mas com certeza, seu aroma será mais frutado e surpreendente que os seus similares. Por ter em sua mistura final destilados que já envelheceram por diferentes períodos, ele não pode levar no rótulo o tempo total de envelhecimento, mas a fórmula final de um Rocks inclue destilados de diferentes idades, seja 7, 12 e até 15 anos, em diferentes proporções, e por isto repito que o selo de idade não é necessariamente um selo de qualidade.

Este não é um mero destilado, mas uma viagem no tempo que termina no presente e apresenta tendências para o futuro. Sugiro que se beba como manda a tradição, misturado com 20% de água mineral fria, mas não completamente gelada. Como ele não é filtrado à frio, conserva seus óleos naturais e fica ligeiramente turvo ao ser misturado com água, caraterística que expressa toda sua complexidade.  Esta é uma obra de arte de uma destilaria obcecada em fazer sempre o melhor.

Notas de degustação:

Coloração castanho com reflexos avermelhados. No nariz apresenta um bouquet fresco e vibrante, com notas de frutas vermelhas, romã, maça vermelha em contraste com um preenchimento de cevada, xarope doce maltado, baunilha e açúcar mascavo. Sabor tostado leve, apenas proveniente das barricas. Na boca se confirma os aromas de frutas vermelhas, acompanhado de notas picantes e muita cremosidade. O final é persistente, com fundo doce e pouco áspero.

Harmonização:

Carnes vermelhas e de caça, assadas e acompanhadas de batatas e outros tubérculos como cenouras, nabo ou beterraba. Contrapõe muito bem com molhos ligeiramente agri-doces à base de frutas vermelhas como mirtilos e framboesas. 

Cristiano Lanna

... vive entre livros, panelas e taças. Depois de se formar em engenharia, o chef se entregou de vez a paixão pela gastronomia e aos poucos foi estendendo seus conhecimentos para mundo dos vinhos. Com toda essa experiência, se tornou chef e sócio do bar italiano Prima Bruschetteria e dá aulas na ABS-Rio.

Detalhes

FRETE GRÁTIS 
Válido para as capitais dos seguintes estados: SP, RJ, MG, ES, GO, DF, RS, SC, PR*

O que você recebe:
1 garrafa X 700ml 

Estilo:
Single Malt Scotch Whisky (mixed vintage)

Envelhecimento:
Blend entre destilados de diferentes idades envelhecidos em barris de scotch, bourbon e vinho tinto 

Composição: 
100% Malte de Cevada

Teor alcoólico:
46%

* Atenção: O frete grátis não compreende CEPs localizados em áreas de redespacho

Mais sobre a Bruichladdich:

A Bruichladdich foi criada em 1881 pelos irmãos Harvey’s, membros de uma família escocesa com mais de um século de tradição em destilaria. Até hoje ela continua uma destilaria independente, que não se vendeu às gigantes que hoje dominam o mercado. O responsável pelos blends é Jim McEwan, que por muito tempo resistiu às pressões de mercado e insistiu em fazer um whisky muito além do que o mundo estava acostumado. A destilaria mantém os equipamentos da era vitoriana e acreditam ter no tempo seu maior aliado, nunca apressando o processo. A Bruichladdich está para o whisky assim como os grandes chateaux estão para o vinho, sempre buscando a qualidade máxima. 

Outras Fontes:
http://www.bruichladdich.com/
http://www.singlemaltbrasil.com.br/