CADASTRE-SE AINDA HOJE E GANHE R$10*

Mauricio Szapiro e Erik Nako,
curadores de vinho e gastronomia

Aproveite os melhores vinhos e produtos gastronômicos do mercado, selecionados por chefs e sommeliers tão apaixonados pela boa mesa como você.


Quero me cadastrar

Já é cadastrado?
Faça seu login

oferta
(11) 3090-6073 / (21) 4042-2446 - Seg. à Sex. das 10h às 19h

Berlucchi Cuvée Imperiale Brut

De R$ 128,00 por Preço Exclusivo para cadastrados
CADASTRE-SE

Berlucchi Cuvée Imperiale Brut

Franciacorta • Itália

Receita para uma noite feliz

De R$ 128,00 por



ESTA OFERTA ESTÁ ENCERRADA
Cadastre-se hoje, ganhe R$ 10 de créditos


Com a palavra, o sommelier

“Il n’est champagne que de la Champagne” (“Não é champagne, se não for da Champagne”). Qualquer sommelier ou estudante de enologia sabe disso. E não vai aí qualquer juízo sobre a qualidade do produto, mas tão somente um reconhecimento de sua origem. Vários países elaboram bons espumantes, entre eles a Espanha – os cavas da região da Catalunha; a Alemanha, que tem na acidez de suas uvas uma característica essencial à produção de bons espumantes; e o Brasil, que vem conquistando seu lugar no mundo do vinho exatamente graças a esse tipo de produto.

Os italianos também são craques na elaboração de spumanti, principalmente na região da Franciacorta, que fica ao sul do lago Iseo, na província de Brescia, Lombardia. Curiosa é a origem mais provável do nome dessa área, que vem da Idade Média: por estarem sob a proteção dos monges beneditinos, as cidades eram isentas do pagamento de impostos sobre a terra, verdadeiras curtes franchae (corte franca), portanto. Mas, com certeza mesmo, é ali que estão algumas das maiores casas de espumante da Bota, que elaboram seus produtos pelo método de segunda fermentação na garrafa, o mesmo da Champagne.

O Berlucchi Cuvée Impériale Brut é um desses vinhos, nascido pelas mãos de Guido Berlucchi e de seu então jovem enólogo, Franco Ziliani, no início dos anos 1960. Um dia, conversando com o patrão, o ousado Ziliani mandou: “Por que também não fazemos um espumante à maneira dos franceses?” A proposta foi aceita na hora e aí está o resultado: quase um blanc de blancs, com 90% de Chardonnay e 10% de Pinot Noir – não por acaso as duas variedades mais nobres da Champagne. Sempre emulando os franceses, o tempo de permanência do espumante sobre as borras é de 24 meses. E o teor de açúcar residual, bastante baixo: oito gramas por litro.

 

Notas de degustação:

Um bom espumante se conhece só de olhar: tem que ter bolhinhas pequeninas e numerosas – este perlage cumpre integralmente a promessa; deve ter um nariz delicado e com muito frescor – aqui, predominam as notas cítricas e florais, com marcante presença das leveduras; a sensação que o gás carbônico provoca na língua deve ser delicada; uma boca fresca e perfumada é a sensação final, que confirma a qualidade do produto.

Harmonização:

Espumante é bebida de festa, sinônimo de alegria e presença obrigatória nos bons momentos da vida – por que outro motivo estaria no pódio da Fórmula 1? Mas é também o vinho do brinde, capaz como nenhum outro de celebrar o amor e a alegria de estar junto da pessoa querida. Por isso, nem precisa de comida – aliás, não precisa nem de muitas palavras, basta a troca de olhares. Mas, se for usado na mesa, pode ir além do aperitivo. Faz bonito com antepastos, foie gras quente, acompanhando peixes, frutos do mar ou carnes brancas em preparações delicadas. Com um risoto de camarão ou lagostim com pontas de aspargos, é perfeito. Só tem um perigo: pode se transformar na estrela da noite. O que seria imperdoável no Dia dos Namorados.

Celio Alzer

... formou-se no rádio, produzindo e apresentando programas musicais e continua levando a vida numa boa, dando aulas de enologia na ABS Rio, ouvindo jazz e bebendo vinho – porque ninguém é de ferro... 

Detalhes

O que você recebe:
1 garrafa X 750ml

Estilo:
Espumante

Composição:
60% Chardonnay; 40% Pinot Noir

Teor alcoólico:
12,5%

Mais sobre a Berlucchi

“E se fizéssemos um espumante como fazem os franceses?” – Foi a pergunta de Guido Berlucchi que deu origem a toda sua produção de espumantes Franciacorta. Antes de começar a produzir espumantes, Berlucchi fabricava vinhos brancos que eram pouco estáveis em garrafa, até que um amigo o aconselhou a procurar a ajuda do enólogo Franco Ziliani. O enólogo viu em Berlucchi a chance de realizar o seu sonho: produzir um vinho de dupla fermentação. Berlucchi aceitou o desafio e, em 1961, nasceu o Pinot di Franciacorta. Da produção nasceu uma parceria de sucesso. Hoje, a Berlucchi produz spumanti de qualidade francesa em território italiano.

 

Outras Fontes:

www.berlucchi.it